Descobertas não tão novas, mas importantes

 

Johny Cay - San Andres

Johny Cay – San Andres

Penso que quando conhecemos um lugar novo, mais do que fotos e presentinhos, o que trazemos de mais valioso na volta é a experiência de ter estado ali. Essa experiência nem sempre vai ser boa, ou nem sempre vai trazer novos conhecimentos, mas sempre é uma experiência importante e válida, por isso eu gosto de fazer esse exercício de prestar atenção em tudo o que eu penso e sinto em minhas viagens e passeios, para na volta tentar ver para além dos bons e divertidos momentos que passei.

Estive em San Andres, aqui na Colômbia e pude me dar conta de algumas coisas meio óbvias, mas que ficam escondidas no meio da correria do dia a dia. Ou melhor, pude me lembrar de algumas coisas realmente importantes para se ter uma qualidade de vida que eu tenho deixado um pouco de lado.

Primeiro, que ter controle sobre alguma coisa é exceção, não regra. Imaginávamos chegar em San Andres e encontrar aquele solzão, como aqui em Cartagena, perfeito para visitar as praias maravilhosas daquele lugar, dar uma volta para conhecer a ilha e fazer um milhão de coisas. Chegamos e encontramos chuva. Mas não foi pouca, não, foi muita. Logo de cara, não foi possível fazer absolutamente nada por causa da chuva forte. Parecia que ia ser uma espécie de “férias frustradas”, onde tudo ia dar errado. E, de fato, não parecia sair nada como planejado, porque além disso, eu estava meio doente e não sabia se iria piorar nesse tempo. Toda aquela animação e ansiedade dos dias antes de ir desapareceu, como se tivessem jogado um balde de água fria. Ou uma chuva forte bem fria, no caso. Foi preciso um esforço pra superar o desânimo e reconhecer que nem tudo sai como a gente quer ou planeja, tem coisas que simplesmente não estão sob o nosso controle, então temos que tentar fazer o que dá pra fazer na situação não planejada. Felizmente entre momentos de chuva e sol, foi possível fazer muita coisa e conhecer lugares lindos. A frustração inicial foi desaparecendo até parecer que ela nunca existiu.

Segundo, que desconectar é bom. Fui para lá com o propósito de não ficar muito conectada pelo celular nas redes sociais, ou coisas assim. A ideia era mandar sinal de vida para algumas pessoas e checar meu e-mail uma vez pelo menos, por causa de possíveis trabalhos que poderiam chegar. Acho que fui bem sucedida nisso. Não que eu seja super viciada em redes sociais, mas com o celular na mão parece que uma força maior nos empurra para dar uns cliques por aí. Queria desligar um pouco, aproveitar o contato com a natureza, aproveitar um tempo sem estresse. E é vergonhoso ver a quantidade de tempo que mesmo eu, que digo não ser viciada nas redes sociais, desperdiço com elas. Quero passar mais tempo desconectada assim, faz bem para a alma.

Terceiro, que costumamos nos achar grande coisa, mas não somos nada, somos pequenos demais nesse mundo de meu Deus. Quando estava no meio do mar, olhava pro lado e não tinha nada além daquela imensidão; quando estava em Cayo Bolívar, uma ilha pequenininha, maravilhosa, no meio do nada, sem muitas pessoas e com tantos animaizinhos vivendo suas vidas tranquilamente; quando me sentia meio debilitada por causa da doença que tive e, ao mesmo tempo, com vontade de conhecer tudo ali; em todos esses momentos e muitos outros me veio à mente quantos lugares e pessoas e experiências assim estavam acontecendo ao mesmo tempo em outras partes do mundo, o quanto somos, em certa medida, insignificantes e os problemas, que tanto nos preocupam diariamente,  mais insignificantes ainda. Descobri que quero perder menos tempo e energia com coisas que não me oferecem nada de bom em troca.

Tudo isso, no fundo eu já sabia. A gente sabe essas coisas, mas esquece e passa a dar mais importância ao que não é tão importante. E eu sei que tudo isso que pensei esses dias não vai me fazer mudar de vida drasticamente, daqui a pouco talvez eu já tenha esquecido essas coisas novamente. Mas sempre que me lembrar desses momentos em San Andres, vou me lembrar de tudo isso também e parar mais uma vez pra tentar colocar as coisas no lugar.

Anúncios

Um comentário sobre “Descobertas não tão novas, mas importantes

  1. Pingback: Dicas para viajar para San Andrés | Sarices

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s