Monólogo do ônibus

Da série: textos antigos. Esse eu escrevi em 2011, sobre um causo que aconteceu no ônibus, no caminho para a faculdade (nossa, faz tanto tempo e nem parece!).

 

———

Monólogo do Ônibus

Alguma coisa em mim faz com que as pessoas puxem conversa comigo no ônibus. Ou alguma coisa nelas. Acho que são as duas coisas. Eu só não entendo porque começam a conversar comigo. Não tenho cara de simpática, faço questão de estar com um livro na mão justamente para se alguém começar a conversar, ou estou com os fones de ouvido. Mesmo assim, elas conversam comigo. Em alguns casos minha impaciência e irritação inicial acabam passando, porque a conversa se torna legal. Em outros, depois de todas as tentativas frustradas de demonstrar que não quero conversar, minha vontade é de descer no próximo ponto e esperar outro ônibus.

A última conversa foi engraçada. Não foi muito uma conversa, mas um monólogo da mulher que estava ao meu lado. Não sei o nome dela, mas sei a vida inteira. Era o caminho de São Miguel Paulista (lugar da minha casa número dois) ao campus da faculdade, em Guarulhos. Meia hora. Ela mora em um bairro depois da faculdade, mas tinha ido a São Miguel comprar um presente de casamento. Tinha sido convidada e quis comprar o presente e enviar antes, porque levar o presente no dia é brega, ela disse. “Aquele povo todo levando edredom e deixando na porta, só pra mostrar que levou presente.” Ela não, iria enviar antes com um cartão. Mas tinha esquecido de comprar o cartão, ia ter que comprar depois. Comprou um conjunto de xícaras, porque ela gosta muito de xícaras. E era um presente original, né?

Ela sempre ia a São Miguel fazer compras, porque era mais perto que ir ao centro de Guarulhos. E as coisas tinham um preço bom. Aproveitou para comprar presente para todo mundo da família. Uma calça jeans pra filha, uma mochila pro filho, uma calça de moleton pro marido, porque ia esfriar e um vestido pra ela. Era aniversário de casamento do casal, mas ela quis comprar um presente útil para ele. “O que adianta comprar um presente que ele não vai usar, só porque é aniversário de casamento?” O filho tem 20 anos e está na faculdade. Estuda à noite, trabalha de dia. Mas aquele dia ele estava de folga e ela estava preocupada. Porque eram duas horas da tarde e ele não tinha almoçado. Não sabia fazer comida. Ela ia chegar e fazer o almoço ainda. Comprou carne moída porque a filha, que estava com ela, queria comer macarrão com carne moída, então ela ia fazer. A filha tem 15 anos. Estuda no Senac de dia e faz o ensino médio regular à noite. Todo dia ela tem que buscar a filha no ponto de ônibus, porque é perigoso. Mas tem dia que ela está com tanta preguiça, que vai de pijama mesmo.

Tinha comprado também umas lãs e uma tábua nova de tear. Ela faz cachecol. Comentei que minha mãe também fazia, ela se empolgou ainda mais. Que tábuas ela tem? O que mais ela sabe fazer? Nem se eu soubesse responder, iria conseguir. Porque ela faz flor também. Fica bonito no cachecol. Ou você pode fazer de broche e colocar na roupa. Ou fazer de prendedor de cabelo. Ela fez uma para a filha, a professora viu e gostou muito. Agora ela vai fazer uma caixinha cheia de flores para dar pra professora da filha. Mas a flor é feita no tricô, não no tear.

Meu ponto chegou e ela me desejou bons estudos e falou para eu me alimentar direitinho. Achei divertidíssimo e fiquei pensando se estou com cara de quem não come. Capaz.

 

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s