Coisas que você precisa saber se deseja morar na Colômbia

bandeira-da-colombia

Leia mais: Como tirar o visto Mercosul para morar na Colômbia 

 

Oi, gente!

Tenho observado a movimentação de visitas no meu blog e a publicação mais acessada é sobre tirar o visto Mercosul para morar na Colômbia. Todos os dias muitas pessoas chegam até esse post e tenho recebido algumas mensagens de gente interessada em vir morar em algum lugar da Colômbia. Acho isso muito legal, primeiro porque a experiência de morar em outro país (seja ele qual for) é sempre muito rica. Segundo, por ver que a Colômbia tem se tornado um destino, após finalmente haver superado algumas coisas e continuar superando outras de um passado tão triste e violento.

Moro na Colômbia há dois anos e tenho que confessar que quando decidi me mudar não pensei muito em como seria lidar com algumas questões práticas de viver aqui, porque vim com a ideia de ser uma estadia temporária. Porém também não encontrei grandes problemas pelo fato de ter uma base de apoio aqui, que é meu namorado e sua família. Só que depois de todo esse tempo pude observar algumas coisas que podem ser problemáticas ou pelo menos um pouco complicadas para quem decide sair do Brasil e vir para cá. São coisas que podem parecer simples, mas não são ou que não levamos em consideração, mas precisamos levar. Por isso decidi escrever esse post, falando sobre três itens que você precisa levar em conta se deseja se mudar para a Colômbia.

As observações a seguir são direcionadas principalmente para quem decide vir  e se estabelecer aqui, construir uma vida. Porque quem vem temporariamente para trabalhar ou fazer um intercâmbio, por exemplo, provavelmente estará respaldado pelas instituições a que pertencem (empresas, universidades, etc.). Mas vamos ao que interessa, então.

 

1 – A questão da saúde

Se você pretende morar na Colômbia precisa saber que aqui o sistema de saúde é privado. No Brasil estamos acostumados com o SUS e por mais que a gente reclame dele, sabemos que ele existe e frente a qualquer emergência podemos ir a um posto de saúde ou um hospital e seremos atendidos “gratuitamente”. Bem, você goste ou não do sistema público e universal, ele é um exemplo mundial e poucos países têm um sistema parecido. A Colômbia não é um deles. Aqui o sistema de saúde funciona no modelo de planos de saúde. Para ter atendimento médico você precisa estar filiado a uma das empresas, chamadas de EPS. O valor da mensalidade varia de acordo com cada empresa (e a qualidade dos serviços também).

Se você estiver empregado, a empresa onde você vai trabalhar provavelmente cobrirá esse plano de saúde para você, com carência para alguns membros da família (pais, esposa (o), filhos). Mas não é sempre que isso acontece. Algumas empresas contratam pessoas com a condição de que elas próprias paguem seu seguro médico e social (que seria como o INSS).

Existe um programa do governo de subsidiar EPS, mas esse direito é direcionado apenas às pessoas que se estão nos estratos mais baixos (vou falar sobre os estratos a seguir), ou seja, pessoas mais pobres que não têm condições de pagar por uma EPS.

Bem, o sistema de saúde é privado, então quer dizer que pelo menos os serviços prestados são de boa qualidade, certo? Não exatamente. Infelizmente os mesmos problemas que encontramos no Brasil com o SUS, encontramos aqui com as EPS. Todos os dias aparecem nos jornais notícias de pessoas que morreram esperando a autorização de uma cirurgia, ou pessoas que não conseguem os remédios caros que precisam tomar porque a EPS não quer cobrir o valor, atendimento demorado ou falta de atendimento, etc. Esse tem sido um problema realmente sério no país e cada dia vemos mais reclamações. Mas, claro, é um sistema que tem minimamente funcionado. Eu já precisei passar por consultas médicas e fazer exames diversos e até agora não tive problemas com a EPS que estou filiada. Felizmente, não se tratava de nenhuma situação mais grave.

Se você não estiver filiado a nenhuma EPS precisará pagar por consultas e qualquer intervenção médica e isso não é barato. Uma simples consulta pode chegar a custar $ 200.000 (cerca de 200 reais). Então se você pretende se mudar para a Colômbia esteja atento a essa questão. Confira se a empresa na qual vai trabalhar cobre seu plano de saúde. Se você não vem para trabalhar imediatamente, coloque no seu orçamento de mudança o valor para pagar uma EPS ou contrate um seguro viagem por alguns meses até se estabilizar aqui e conseguir um emprego ou poder pagar seu plano de saúde. “Ah, mas eu estou bem de saúde, vou fazer exames gerais antes de me mudar”. OK, mas você não sabe em que momento vai ficar doente ou vai ter uma emergência e, acredite, você não vai querer pagar direto do bolso por isso, porque não será barato.

 

2 – Os estratos sociais

Na Colômbia não existe uma divisão de classes sociais como conhecemos no Brasil. Aqui a divisão é por estratos que variam de 1 a 6 (já ouvi falar que vai até 7), sendo que 1 é o estrato mais baixo e 6 o mais alto. Ou seja, no estrato 1 estão as pessoas mais pobres, com menos recursos e no 6 as extremamente ricas. Pelo menos supostamente.

Por que supostamente? Porque ao contrário do Brasil e de outros países onde a classe a que você pertence é definida principalmente pela sua renda, aqui na Colômbia seu estrato é definido pelo tipo de moradia e lugar que você mora. Você pode dizer: bem, no Brasil também é assim, os mais pobres moram na periferia ou em favelas, em casas mais simples. OK, mas se uma pessoa cuja renda mensal é 5 mil reais decide morar em um barraco na favela, ele ainda será considerado classe média. Aqui não. Na Colômbia, a casa e o local onde você mora define o seu estrato. Então vamos supor que você receba por mês o equivalente a um salário mínimo, mas more em uma casa grande, de dois andares em um bairro de classe média porque essa era a casa dos seus avós que já morreram e deixaram ela para você. Você será considerado estrato 4, por exemplo, apesar de sua renda mensal. Ou vamos supor que você receba o equivalente a 3 mil reais por mês e decida morar em um bairro mais pobre, em uma casa simples, de 4 cômodos. Você pode ser considerado estrato mais baixo, 3 ou 2, apesar de ter uma boa renda. (Outros fatores são usados para definir o estrato: se tem carro, televisão na casa, computador, telefone cel., etc. Mas a moradia é o principal aspecto).

Isso tem um resultado prático na sua vida? Sim. Porque os serviços públicos (gás, água, telefone, luz, internet) são cobrados de acordo com o estrato. Se você pertence a um estrato mais alto, você vai pagar um pouco mais pelos serviços e se pertence a um estrato mais baixo, vai pagar menos. Da mesma maneira, para obter alguns benefícios do governo (como a EPS que eu já falei), você precisa pertencer aos estratos 1 e 2.

Enfim, ao se mudar para a Colômbia é preciso estar atento a isso. O tipo de casa e o lugar que você morar vão definir seu estrato social e, consequentemente, interferir em outros aspectos da sua vida cotidiana. Não estou dizendo para todo mundo ir morar em um bairro de estrato 1, não é isso. Apenas que essa questão é algo para levar em consideração na hora de alugar ou comprar uma casa porque isso vai interferir diretamente no seu bolso e você precisará pensar nisso ao fazer seu orçamento de mudança ou ao planejar suas contas do mês.

 

3 – A questão da educação

Na Colômbia existem escolas e universidades privadas e públicas.

No caso do ensino básico é como no Brasil, existem escolas particulares e escolas que são públicas e gratuitas.

No ensino superior existem algumas questões importantes. Se você pretende fazer um curso universitário ou de pós-graduação na Colômbia pode optar por qualquer universidade particular ou pública. Mas precisa saber que mesmo as universidades públicas cobram um valor semestral. Esse valor não é fixo, ele varia de acordo com o estrato em que você está inserido. Significa que você pode pagar, por exemplo, o equivalente a 60 reais por mês, mas também pode pagar muito mais que isso, especialmente se são cursos de pós como mestrado e doutorado.

No caso das universidades públicas, além do estrato outros fatores são levados em consideração para definir o preço que você deve pagar semestralmente. Por exemplo, fazem uma análise da sua renda familiar mensal. Mas como sempre essa questão estará diretamente relacionada ao estrato.

As melhores universidades são públicas, como no Brasil, mas existem muitas universidades privadas de excelente qualidade e no ranking de melhores do país. Existe um programa de financiamento, por meio de uma entidade do Estado chamada Icetex, que funciona mais ou menos como o FIES no Brasil. Você começa a pagar esse crédito estudandil após terminar a faculdade. Infelizmente os juros são bem altos e eu não sei informar se funciona da mesma maneira para cidadãos colombianos e estrangeiros que vivem aqui. O Icetex também oferece bolsas completas, mas para consegui-las é preciso ficar de olho nos editais, não há uma oferta contínua de bolsas.

Então, se você ainda vai começar a faculdade ou pretende fazer uma pós-graduação aqui, precisa ter isso em conta e se planejar.

 

Esses são os três pontos que acho muito importante saber antes de vir morar na Colômbia. Não quero que esse post pareça algo para desanimar os que desejam vir morar aqui, porque não se trata disso! Mas são questões essenciais que não dá para ignorar porque influenciam diretamente em planos futuros de estudo e trabalho, se seu objetivo é se estabelecer no país. Espero ter ajudado quem por acaso aparecer por aqui procurando informações e a todos que têm visitado o blog pesquisando sobre o visto para morar na Colômbia.

Anúncios

11 comentários sobre “Coisas que você precisa saber se deseja morar na Colômbia

  1. Vc saberia dizer quanto sai um plano de saúde para aposentado com 65 anos? Outra dúvida: como fica o imposto de renda de uma aposentadoria recebida no Brasil?

    • Olá! Sobre o plano de saúde, depende mais da renda do que da idade. Como o sistema de saúde é nesse modelo, todo mundo precisa estar filiado ao que eles chamam de EPS (entidades promotoras de saúde), que são como “empresas de planos de saúde”. Cada EPS tem um valor diferente. Digamos que o menor valor que você vai encontrar, pra o serviço básico e obrigatório é cerca de 120 a 150 reais por mês. Sobre o imposto de renda eu não sei te informar, infelizmente. No futuro posso fazer algumas pesquisas e publicar aqui, mas por enquanto não tenho nenhum tipo de informação nesse sentido.

  2. Ola sarah sou casado e eu e minha esposa esatamos querendo ir pra colombia pesquisei sobre o país e me encantei, minha esposa é formada em pedagogia e pós graduada em psicopedagógia ja eu tenho apenas o 2 grau compelto…gostaria de saber com você temos grande chances de encontrar trabalho em Bogotá? Seja qual for o trabalho de início queremos relamente tentar algo novo e estamos dispostos a tentar.

  3. Ola sarah sou casado e eu e minha esposa esatamos querendo ir pra colombia pesquisei sobre o país e me encantei, minha esposa é formada em pedagogia e pós graduada em psicopedagógia ja eu tenho apenas o 2 grau compelto…gostaria de saber com você temos grande chances de encontrar trabalho em Bogotá? Seja qual for o trabalho de início queremos relamente tentar algo novo e estamos dispostos a tentar.

    • Oi, Tarcísio! Acredito que sim, vocês terão chance de encontrar trabalho em Bogotá. É uma cidade grande e por isso as possibilidades são maiores, especialmente se inicialmente não se preocupam com qual será o trabalho, como você falou. Mas acredito que as chances são maiores ainda se vocês falam um pouco de espanhol, isso ajuda bastante. Se depois de um tempo decidirem se estabelecer no país, seria bom sua esposa validar o diploma dela aqui. Boa sorte pra vocês!

      • Sarah sobre questao financeira, quem pensa em viver de início com um começo bem simples sem muitos gastos a ns ser os necessários tirando gastos com as passagens e documentos uns 3 mil a 4 mil da pra iniciar…tipo alugar casa ou pensionato agua energia alimetaçao pra uns 2 mese…ate conseguir um emprego?

        • Você diz 3 a 4 mil por dois meses? Se sim, eu acho que dá se você morar de pensão. Alugar um quarto, por exemplo. Mas para pensionato é difícil achar quem receba casal, geralmente é pra uma pessoa só. Talvez você consiga aluguel mais barato em áreas mais afastadas da cidade, ou quitinetes, ou até mesmo para dividir com outras pessoas. Eu não sei muito bem como são os preços de Bogotá (eu moro em Cartagena), mas acredito que seja possível encontrar aluguel pelo equivalente a 500, 600 reais em alguns lugares da cidade, ou para dividir com outras pessoas. Teria que procurar melhor. Te recomendo que procure no Facebook um grupo chamado “Brasileiros em Bogotá”, acho que lá você vai encontrar melhores informações sobre esse assunto, porque quem mora lá vai poder te informar melhor os valores de aluguel e coisas assim.

  4. Pingback: Coisas que você precisa saber se deseja morar em Cartagena de Indias |

  5. Pingback: Como tirar o visto Mercosul para morar na Colômbia |

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s